Um Santo Padroeiro para a Antropologia

Há alguns anos, numa estranha noite, o meu irmão achou-se num bar, numa mesa cheia de porteiros de casas de alterne. Foi aí que ele descobriu Santo Onofre, o santo padroeiro dos porteiros de casas de alterne. Alguns destes homens, todos eles enormes e musculados, usam ao peito um fio com a imagem do santo, um velho de barba comprida e corpo andrógino, pobremente coberto.

A minha mãe nunca teve grande apreço pela religião. Mas a reforma chega, passa-se mais tempo em casa, e começam a nascer ideias para pequenos espaços na sala, lugares de afetividade, esquinas com uma mesa e símbolos que nos permitam peregrinar. Um domingo chegámos para almoçar e havia uma imagem de Santo Onofre junto a uma vela colorida da Loja do Gato Preto.

O que os santos têm de bom, é que além de cada um poder escolher o seu, pode fazer-se deles o que se quiser. Onofre aparece na biografia de São Pafúncio como um eremita egípcio do século IV, que fugiu para o deserto. No Brasil é o santo dos bêbados. Quanto mais se entra em sites duvidosos à procura da personagem, mais fascinante ela fica: Quero acreditar na fonte mais excitante: Santo Onofre nasceu mulher, mas tantos desgostos lhe deu o género, que a caminho do deserto mudou-se-lhe o sexo.

Esta coisa de haver um santo transgénero interessou a minha mãe; aprendeu teologia com os filhos, que de teologia nada sabem. Uns gozões que desacralizam tudo… Mas os santos impõem-se, ganham história, fazem companhia. Quando damos por eles, estão sentados à mesa. Os santos escolhem-nos.

Eu passo grande parte dos meus dias na sede da Wamãe I Antropologia Pública, nos Anjos, em Lisboa. É uma associação que criámos no fim de 2020. Concebemos e executamos projetos de antropologia e educação, produzimos conteúdos audiovisuais para projetos de investigação em ciências sociais, e desenvolvemos projetos artísticos, que partem sempre de uma visão social.

Na Wamãe estão constantemente a entrar e sair antropólogos, os nossos associados. Vêem para trabalhar, para conversar ou para não fazer nada. Este fluxo é fundamental para a manutenção de uma vida intelectual em grupo; há sempre alguém com um livro novo, ou com um artigo de um antropólogo que descobriu; à procura de alguém para debater.

Aprendemos, no entanto, que a produção intelectual não é mecanicamente transponível para a vida. É necessário imaginação e corpo para trabalhar num circulo que contenha um cigano que adora sê-lo, um que detesta sê-lo, e um que aguarda que ser cigano passe a ser uma coisa que ainda não existe, por exemplo. Nada prevê a complexidade da vida.

Tão pouco nos vale a interseccionalidade. É preciso ser ainda mais mundano, confiar no bom senso. Traduzindo livremente Donna Haraway, é aprender a respeitar “as formas como as pessoas vivem com o problema”. E as formas como o problema se manifesta: qualquer tópico trabalhado na academia, armado de retórica, jargão e força ativista, emerge no mundo frágil, materializado em trauma, tristeza, humor; em qualquer coisa. Materializado em algo que nunca se espera.

Esta crítica é reciclada. É igual ao que Leach apontava, no tempo em que a vida tinha de encaixar à força nos esquemas de parentesco. As pessoas como confirmação de teorias… Não nos serve a interseccionalidade, porque lutamos furiosamente contra taxonomias prévias. Contra meta-taxonomias também. Sentamo-nos com gente e construímos categorias, sim; mas são temporárias, funcionais, que ajudem a compreender. Lembramo-nos sempre daquela antiga palavra de antropólogos, “reificação”; e mantemos a disciplina de não confundir ideias, coisas e pessoas.

Um santo para a antropologia não gostava que fosse ortodoxo, munido de livro sagrado que permita dividir o mundo em maus e bons. Aguardamos uma antropologia menos missionária. Que não venha do deserto com a Palavra, que seja capaz de sair e procurar palavras. Que ultrapasse a mania irritante de fazer de si objeto de estudo, auto-teológica. Uma arte da agilidade. Viva Santo Onofre, santo transgénero, padroeiro dos porteiros das casa de alterne e dos bêbados brasileiros!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search