Academias Imaginárias – Diário de Campo 12/10/2021

O Dia 12 de Outubro de 2021 viu a nossa equipa de volta às Academias Imaginárias na Escola Básica Manuel Sérgio. A minha inclusão no projeto AI – Academias Imaginárias deu-se recentemente, apesar do mesmo ter sido iniciado em 17 de novembro de 2020. A minha função é, precisamente, o acompanhamento da equipa que todas as terças-feiras se dirige à escola, de forma que seja possível redigir um diário de campo que se foque sobre os acontecimentos decorridos no espaço relacional entre as crianças, o seu ambiente sociocultural, os professores e a escola.

Começando às 10:00, a primeira sala que visitamos foi a de uma turma mista, que une segundo e terceiro ano, onde foi continuada a temática abordada na aula anterior: “Histórias e Lendas”. De forma a familiarizar os alunos com o conceito, contou-se a história do Bairro 2 de Maio, um bairro próximo onde muitos deles residem marcado por várias transformações consequentes do Estado Novo e da sua queda.

Como observador, um dos pontos mais interessantes de analisar durante o percurso desta aula deteve-se no encontro entre passado e presente refletido na comparação lenda-atualidade, tal como em noções de memória social. Para explicar a história do Bairro 2 de Maio foi necessário esclarecer os alunos em relação a uma série de contextos históricos com os quais eles não estavam completamente familiarizados, em grande parte devido às suas idades. Entre estas, as que foram naturalmente mais destacadas e discutidas foram as ideias relacionadas com o conceito de ditadura no geral, com a figura política do ditador e com a exploração das particularidades do contexto português do Estado Novo. Discutir o “familiar” (uma história de um bairro que a maioria conhece) acabou por conduzir à exploração envolvida e interessada por parte dos alunos em temáticas como História e Ciência Política.    

Pegando na vertente audiovisual, foi decidido então que os alunos teriam de desenhar e articular várias personagens para, posteriormente, se poder criar uma animação stop motion que ilustre a história do Bairro 2 de Maio. Esta atividade procurou dar enfase às qualidades da expressão criativa como veículo para o reconhecimento e consciencialização de factores históricos e socioculturais.

Fora dos acontecimentos diretamente relacionados com o decorrer da aula, dediquei-me também à observação dos alunos em si, das suas questões, atitudes e comportamentos face, não só ao que estava a ser ensinado, como também às dinâmicas com os outros e a escola no geral.

Uma das intervenções que mais se destacou decorreu quando um deles se deparou com a questão “O que é ‘cor de pele’?” ao tentar escolher as cores para pintar a sua personagem. Em conversa com uma das professoras, fora explicado que, claramente, o termo ‘cor de pele’ é muito mais abrangente e inclusivo que aquilo que é apresentado na denominação de cores num kit de lápis. Esta interação suscitou ideias sobre questões linguísticas associadas à racialização da cor da pele e da forma como estas dinâmicas se repercutem nas mais pequenas coisas, como um lápis de cor.

Outro desenhou a sua personagem como uma versão adulta de si mesmo, incorporando características do seu irmão mais velho. Quando o comentei com as professoras, informaram-me que este aluno tinha imensa adoração pelo seu irmão. Esta situação chamou-me à atenção por se mostrar como uma breve janela para as dinâmicas familiares e de parentesco na vida desta criança que, por sua vez, se encontra num momento particularmente importante da sua formação sociocultural.  

A segunda aula juntou-nos com o primeiro ano, com quem trabalhámos “Histórias de Vida”. Para começarmos a explorar este tema, foi primeiro discutido a noção do tempo linear. Foi pedido então aos alunos que desenhassem uma versão simplificada dos caminhos que gostariam de tomar nas suas vidas, exercício que abriu espaço de comunicação sobre desejos, ambições e objetivos. O percurso da aula foi relativamente calmo, com cada aluno dedicado aos seus desenhos.

Dois deram enfase a desenhos de armas; quando se comentou esse facto, um deles respondeu que gostaria de ir para o exército. O outro, no entanto, devido a ainda não ter aprendido português, não conseguiu comunicar com as professoras convidadas. Como resultado desta situação, foi decidido que na próxima aula seria convidada uma intérprete (conhecimento pessoal de uma das professoras convidadas) de forma a abrir uma linha de comunicação com o aluno.

Uma das alunas mais novas passou a aula a chorar inconsolavelmente, apesar das várias tentativas das professoras para a confortarem. Quando lhe perguntaram a razão de se sentir triste, respondeu que sentia saudades da mãe. Depois da aula, quando o episódio foi comentado com uma das professoras da Escola, foi-nos dito que, dado o fim do confinamento relacionado com a pandemia do vírus Covid-19, a aluna não estava habituada a uma nova separação da sua figura materna, com quem tinha passado tanto tempo durante os últimos anos. É interessante notar-se assim algumas repercussões que estas restrições tiveram, em particular nas idades formativas em que estas crianças se encontram.

A aula seguinte, última do dia, levou-nos até à sala do quarto ano, onde se contou com a presença de equipamentos audiovisuais: tripé, câmara e luzes com filtros de várias colorações. A turma foi dividida em grupos de quatro membros, estando cada um responsável por uma parte do processo de filmagem: um controlaria a luz, um mudaria a cor com os filtros, um estaria por trás da câmara responsável pela filmagem e um seria o filmado e objeto de teste para as mudanças de luz/cor. Este exercício foi fácil de organizar: embora muitos evidenciassem preferências claras por um papel, todas as funções pareceram ser do interesse de todos, com muitos pedidos para continuar a participar em certos exercícios. O objetivo da aula, para além da familiarização dos alunos com o equipamento e com conceitos de luz e cor, fora o de descobrir a forma como a presença destes factores numa cena podem ser sugestivos e sinestésicos de várias emoções, sensações e ideias.



Citar este post
David Lopes (2021, 23 Novembro). Academias Imaginárias – Diário de Campo 12/10/2021. Olho da Rua. Recuperado em 17 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/sin0

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search