Notas à margem de uma Casa de Banho – Fragmentos da vida universitária na FCSH

Neste trabalho terei como propósito fazer um exercício de observação e  reflexão procedendo a uma breve descrição e ao levantamento de questões em  relação de concomitância conceptual com um outro texto, o de Ricardo Campos  – Porque Pintamos a Cidade? Uma Abordagem  Etnográfica do Graffiti Urbano – com o qual estabelecerei relação com os conceitos  de Juventude – Visibilidade – Discurso Visual e ainda num paralelismo conceptual os com os conceitos de James C. Scott – Infrapolítica e Discurso Oculto (1).

Como objeto de observação optei por um espaço – casas de banho – (tanto  feminino como masculino) da Torre B e os Pavilhões B1/B2 e A. Procurei captar as  narrativas como o suporte para uma série de discursos fragmentados da vida social  e académica da respetiva instituição de ensino superior da Universidade Nova de  Lisboa. Numa fugaz recolha fotográfica do objeto em observação – casas de banho – local de passagem na itinerância do quotidiano, estabeleci como motivo os  resquícios discursivos de uma escrita partilhada em paredes, portas, sanitas e  calhas, e a sua respetiva análise sobre um espectro subjetivo, crítico, que procurou  compreender quais os diálogos, desabafos, opiniões e contra opiniões estabelecidas  e partilhadas.

O meu argumento constitui-se no ato de partilha de discursos políticos,  prosaicos e banais partindo de uma posição anónima, que num ato interventivo, se  impõe no campo visual das pessoas que também frequentam os respetivos espaços – as casas de banho – suscitando por vezes respostas diversas e interpretadas de  forma descontextualizada, no seu tempo e na sua intenção de acção.  

Numa análise qualitativa do conteúdo apontei atitudes como: Acusações e  gozos trocistas, reivindicações/opiniões e contra opiniões/afirmações/divagações políticas/ideológicas, declarações, símbolos, letras de canções /poesia, correções  linguísticas/ortográficas, palavras e frases rasuradas, questões retóricas, diálogos,  autocolantes, frases e símbolos de sentido privado. Nesta coletânea de diversas  afirmações, interrogações, declarações e interrogações, deparei-me com uma  polifonia de intenções e sentidos (que por sua vez transcendiam-me no seu  contexto) na qual os atores surgem como anónimos e atuantes. 

O espaço onde a acção decorre é isolado e privado, que por sua vez é  também partilhado e intervencionado como plataforma de impressões pessoais e  afetas a vida-corrente dos indivíduos ou mesmo de movimentos políticos estudantis  e momentos de fervor político, como o exemplo das eleições para a associação de  estudantes. Assumindo um carácter de fórum de desconstrução política, em  sincronia com os interstícios particulares e pessoais de indivíduos. O resultado  gráfico e simbólico recai num aglutinar de intercâmbios de opiniões muito vincadas  e pessoais.  

As temáticas que encontrei com mais frequência foram as do antifascismo, anticapitalistas, e de anti praxe. Dentro de vários exemplos, encontrei uma  declaração de suicídio “vou-me suicidar 🙂 foi uma merda conhecer-te FCSH” e logo  ao lado como resposta circunspecta (2) “Não faça isso, vai perder  tantas oportunidades boas”. Num sentido de grito político e reivindicador as  palavras – “! Si nos outras paramos, el mundo para!” (3) – que muito possivelmente estarão relacionadas com o Dia da Mulher. Na mesma porta e ao lado deste último exemplo a questão retórica “Sabes o que é sororidade?”. Noutra  porta e com sentido declaração/reivindicação política (idêntico ao anterior) a frase”  Venezuela vencerá! Fora imperialistas! Fuck USA” rasurado e em volta uma  contra opinião acusativa “Otários do caralho gostam mesmo de viver no mundo da  utopia e hipocrisia” – “Fuck comunistas” (4). Num outro exemplo e  na mesma linha de acumulação de contrar respostas, uma frases gravada na porta – “praxe é família <3” – em sobreposição com a palavra família a palavra “merda” e  ainda em letras muito reduzidas e logo em baixo “opressão”, no seguimento  (presumindo), é gravado de novo na porta o seguinte – “Merda é falar sem saber <3” (5). Apelos a uma consciência mais ecológica, relacionado com o  veganismo – “ se os matadouros tivessem janelas ninguém comia carne” (6). A repetição de palavras e frases como “Antifascistas” / “! Si nos outras paramos,  el mundo para!” entre outras encontram-se dispersas pelas várias casas de banho  funcionais. 

No enquadramento deste exercício de observação e na perceção das evidências recai mais uma conclusão aberta, questionável do que algo que justifique  o espaço observado. Em relação com os conceitos em que desenvolvi o argumento,  portanto o de Juventude – Visibilidade – Discurso Visual de Ricardo Campos e os  conceitos de James Scott de Infrapolítica (7) e Discurso Oculto (8) questiono se serão esta práticas infrapolíticas e potenciadora da revelação de discursos ocultos?  

Será este um modo informal de fazer política? Qual a durabilidade/viabilidade  destas mensagens? Dentro da comunidade estudantil qual o impacto sobre  estudantes em conversas informais no quotidiano? O ato de escrever para e em paredes e portas poderá estar relacionado a um ato de desabafo, cobardia, acusação ou revindicação, quais os motivos entrelaçados nesta prática? Para quem são estas  mensagens? Será que esta prática se repercute noutros institutos de ensino  superior, e se sim encontram-se similitudes/diferenças discursivas? O que é que elas  espelham? Poder-se-á considerar esta polifonia discursiva uma metonímia do que  se vai passando no espetro social entre estudantes? 

Anexos

Fotografia – WC F. 2

Notas

(1) Irei utilizar os respetivos conceitos estabelecendo uma relação de concordância com o contexto observado,  portanto ao invés de como James C. Scott referir as relações de poder antagónicas e assimétricas e respetivas estratégias de  resistências e dominação, entre por exemplo “senhores e escravos, ou entre brâmenes e intocáveis”(SCOTT.1992:259),  proponho ao olhar destes conceitos, a hipótese de compreender uma infraestrutura que sustente a continuidade desta prática  e como esses discursos podem ser entendido como ocultos no seu anonimato.

(2) Anexo – WC F. 1/1(1)

(3) Anexo – WC F. 2

(4) Anexo – WC M. 3

(5) Anexo – WC F. 4

(6) Anexo – WC F. 5

(7) “O termo infrapolítica, no entanto, parece constituir uma forma (…) de transmitir a ideia de que estamos  perante uma dimensão discreta da luta política. À luz de uma ciência social focada na política relativamente aberta a  democracias liberais e dos clamorosos protestos, manifestações e rebeliões que fazem as parangonas dos jornais, as lutas  discretas dos grupos subordinados exercem todos os dias esta, como os raios infravermelhos, para lá da parte visível do  espetro.” (SCOTT. 1992:253) 

(8) “a dissidência ideológica e simbólica segue um padrão semelhante. Metaforicamente, podemos dizer que o  discurso oculto exerce um pressão constante sobre os limites daquilo que é permitido em cena, tal como uma massa de água  retida numa barragem” (SCOTT,1992:269)

Referências  

SCOTT, James C., «CAPÍTULO VIII – A infrapolítica dos Grupos  Subordinados», in A Dominação e a Arte da Resistência. Discursos Ocultos, Lisboa,  Letra Livre, 2013, págs. 253-271. 


Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search