A Escola entre Lisboa, Kiev e Chisinau

Introdução

Há quase 1 ano, escolhi a Wamãe Antropologia Pública para fazer o meu estágio curricular. Desde 2020 que acompanho os projetos da associação e sempre me interessei por Antropologia aplicada informalmente a contextos de serviço público. Outra das razões foi o tipo de estágio pretendido pela Wamãe. Não pretendiam que eu trabalhasse em projetos já em desenvolvimento, mas a realização de um trabalho a título individual focado num tema à escolha de antropologia pública. Teria obviamente o apoio e orientação dos antropólogos residentes na associação.

Quando me desloquei no início de Fevereiro à sede da Associação para ser entrevistado, decidi propor um trabalho etnográfico em linha com o que realizei no meu trabalho de introdução à investigação no âmbito do Projeto LivePolitics da Escola de Verão do CRIA em 2020, que consiste num conjunto de entrevistas a membros das diáspora ucraniana e moldava sobre tratamento e serviço prestado pelo SEF.

O meu contexto histórico e etnográfico favorito é o conjunto de países que compõem a antiga URSS, sendo a razão principal para a escolha deste tema. Sabendo da existência diásporas ucranianas e moldavas de tamanho significativo em Portugal, decidi aproveitar a oportunidade dada pela Wamãe para desenvolver uma etnografia centrada nas perspectivas das diásporas enumeradas como algo tão sociologicamente central como a Escola.

Apresentei à Wamãe um projeto que iria consistir em quatro entrevistas feitas a membros da comunidade ucraniana e moldava na Grande Lisboa sobre as escolas na Ucrânia/Moldova e como estas se comparam às portuguesas. Quis focar-me na forma como os entrevistados olham aspetos formais e informais (o papel dos professores, os currículos), como percepcionam as semelhanças e diferenças entre os dois sistemas, e para o quanto as escolas ucranianas e moldavas mudaram desde do fim da URSS.

A Wamãe gostou das ideias gerais do projeto e aceitou a minha candidatura para o estágio, que se iniciou a 18 de Fevereiro, a meros seis dias de Putin iniciar a Invasão da Ucrânia. A guerra catapultou esta e os seus cidadãos para a centralidade mediática máxima. Este presente artigo consiste num apanhado geral do que foi o estágio, as entrevistas e os conteúdos e informações extraídos destas.

Os meses do estágio foram marcados por um conjunto de dificuldades e atribulações relacionados com o impacto da Guerra e de alguns imprevistos pessoais. Apenas em Abril houve progressos reais na etnografia. Felizmente, uma etnografia que eu temi que fica-se abaixo das minhas expectativas acabou por ser o contrário após visitar a Escola Ucraniana do Estoril (Escola Oberig, sugerida pela minha orientadora externa Cristina Santinho) onde entrevistei a professora e diretora Ulyana Kucheras, a mãe Nataliia e os alunos Kiril, e Martha. À exceção de Kucheras, quem entrevistei era refugiado.No início de Maio entrevistei Corina, mãe moldava de três filhos. Este relatório refere os seus testemunhos, em conjunto com as minhas reflexões e dificuldades que surgiram ao longo do projeto.

Não foi realizada uma grande pesquisa bibliográfica, devido ao caráter essencialmente prático deste projeto, sendo que me baseei no conhecimento que já tinha a priori, na cobertura mediática à Guerra na Ucrânia e “A ESCOLA E A ESCOLARIZAÇÃO EM PORTUGAL Representações dos Imigrantes da Europa de Leste” de António Sota Martins.

Escola Oberig

No fim das férias escolares da Páscoa, desloquei me ao Liceu São João do Estoril para conseguir fazer pelo menos três entrevistas. Consegui perceber que a escola estava em funcionamento ao ouvir uma conversa em ucraniano entre mães no portão da escola, e perguntei se era preciso pedir a alguém para entrar, ao que me responderam para ir para a Secretaria. Ao chegar ao local indicado, fui auxiliado por uma professora da Escola de São João do Estoril, que me apontou para a responsável da Escola Oberig, a professora Ulyana Kucheras. A diretora e também professora (a quem tinha enviado e-mail poucas semanas antes, sem resposta) estava em reunião no corredor com mães dos alunos.

Após 20 minutos, apresentei-me e expliquei o meu projeto, e Kucheras pediu-me para esperar até às 15:30 para pensar e receber-me numa das salas. Quando voltei esperei ainda cerca de 45 minutos, que aproveitei para observar a Escola. Aos Sábados, a Oberig transforma a Escola de São João do Estoril num microcosmos da diáspora, povoada por mães, professores de múltiplas disciplinas, e alunos das mais variadas idades. Vi muitos poucos homens e durante 45 minutos a única língua que ouvi enquanto fiz tempo foi ucraniano.

Quando a professora Kucheras finalmente me recebeu, os entrevistados estavam já perfilados às 16 horas e meia. A professora Kucheras perguntou-me se eu sabia inglês, de forma a entrevistar alguns refugiados que estavam na escola. A primeira pessoa que chamou foi Nataliia, mãe de dois alunos da escola e refugiada originária de Bucha, cidade dos arredores de Kiev onde há relatos de crimes de Guerra perpetrados por tropas russas. À data da entrevista encontrava-se em Portugal com os filhos há cerca de um mês, e falava inglês fluentemente, e ao contrário do que estaria à espera não se mostrou desconfiada ou reservada perante as minhas perguntas.

A minha primeira pergunta remeteu para o passado escolar, nomeadamente o tipo de disciplinas. Para Nataliia, a Educação na Ucrânia caracteriza-se pela a sua alta qualidade. O currículo tem muitas disciplinas, que na opinião de Nataliia estão em linha com os currículos europeus. Defende que o tipo de matérias dadas são muito benéficas para os seus filhos. Apesar dos elogios, lamentou que os problemas com a equivalência dos diplomas no espaço europeu, devido à Ucrânia não pertencer à União Europeia, estraguem um pouco o potencial internacional do currículo ucraniano.

Sobre relações do docente com os alunos, Nataliia defendeu uma pose e relações equilibradas, “porque por vezes é preciso ser mais simpático e amigável e noutras menos”. Na sua perspetiva, um professor deve ter “vocação e atitude” e a linha que separa professores e alunos deve estar bem definida. Relativamente à adaptação dos seus filhos à escola portuguesa, Nataliia e os filhos estavam em Portugal há pouco mais de um mês à data das entrevistas, ou seja ainda era “bastante cedo para falar sobre adaptação” e que só terá opinião formada após seis meses. Por enquanto, professores têm sido “fixes” e têm ajudado na adaptação e integração dos filhos, que frequentam o 2º e 3º ano de escolaridade. Os filhos chegam a dizer, de acordo com a própria, que algumas disciplinas são mais fáceis e outras mais difíceis relativamente ao que tinham na escola em Bucha. Nataliia considera suficiente o ênfase dado a atividades culturais e desportivas, e gosta que os filhos tenham “muitas atividades”. Na Ucrânia antes da Guerra, os filhos tinham o hábito de jogar ténis, xadrez e praticar dança.

Sobre o papel dos pais, e em particular das associações de pais, no funcionamento das escolas, descreve que na Ucrânia estas têm um papel muito interventivo, mas que pessoalmente discorda e acha que pais e professores devem estar em mundos separados. Na sua opinião, os encarregados de educação devem envolver-se nas escolas somente para organização de atividades festivas e comunitárias. Nataliia prefere a norma “portuguesa” de marcar reuniões para ver os professores em vez do hábito ucraniano de ir ter diretamente com o professor sem hora marcada.

“Temos que dividir tudo em mundos ou partes diferentes. Se estivermos a falar de festas, pic nics ou eventos parecidos é ok, mas se estivermos a falar de processos educativos, os pais não devem estar envolvidos. As funções devem estar bem separadas.”

Para Nataliia, a nova realidade escolar dos filhos não trouxe choques culturais. Para esta mãe de Bucha, é tudo uma questão de relações individuais e que depende do “quão abertos” estão os pais perante a educação dos filhos. Relativamente às relações com os pais dos novos colegas, afirmou que essas questões “dependem sempre de pais e pessoas”, mas considera os portugueses no geral muito abertos, e fez questão de dizer que tem sido auxiliada pelos outros encarregados de educação.

Sobre se os filhos eram tratados de um modo diferente no novo contexto escolar devido às suas origens, Nataliia apenas disse que os seus filhos eram tímidos e as suas relações com os colegas dependiam de criança para criança, frisando que de um modo geral não considera que os filhos estejam a sofrer estigmatização. Frisou que os filhos estavam bem alimentados, que estavam a estudar e que não mudaria nada até agora”. Para Nataliia a Oberig tem um papel muito positivo, ao permitir que os filhos, mesmos refugiados, possam continuar a ter educação com critérios ucranianos. Nataliia descreve este sistema como “Educação Dupla”. Na Oberig, os filhos de Nataliia aprendem todas as disciplinas que aprendiam no sistema do país de origem.

“Aprendem todas as disciplinas que aprendiam na Escola na Ucrânia, todos os sábados. Escrita Ucraniana, Literatura Ucraniana, matemática, inglês, música, tudo o que eles precisam saber no 2o e 3o ano de escolaridade.”

Kiril e Martha

Após entrevistar Nataliia, a professora Kucheras levou-me até uma sala de aula onde estavam alguns dos alunos mais velhos. Entrou na sala e em ucraniano explicou rapidamente o meu projeto e saiu de lá com dois estudantes, entre os 16 e os 17 anos, o Kiril e a Martha. Ambos estavam em Portugal há cerca de duas semanas.

Comecei desde logo por perguntar a ambos quais eram as suas disciplinas favoritas na Ucrânia, ao qual me responderam Língua e Literatura Ucraniana, que só tem a partir do secundário. Kiril mais incisivo afirmou que era muito interessante aprender a cultura, a literatura e os poetas considerados de significância do seu país.

Sobre qual seria a escola mais difícil ou melhor, Kiril e Martha responderam que as escolas ucranianas são melhores, mais eficientes, e permitem aos estudantes “aprenderem mais informação” e “soft skills” apesar da escolaridade obrigatória na Ucrânia ser 11 anos.

Apesar das comparações, Kril frisou que não estava a criticar a qualidade das escolas portuguesas. Afirmam que a diferença mais latente entre os dois sistemas são os chamados “testes independentes” ou “exames”. Nas escolas ucranianas, o tempo letivo é privilegiado quase somente para aprendizagens só havendo avaliações no fim, ao contrário da avaliação contínua portuguesa em que os testes escritos, dois por período, são comuns. O método de avaliação português consiste assim no principal defeito que atribuem às escolas portuguesas.

“Martha: Sim, exames para o 4o, 9o e 11o ano, mas aqui em Portugal, tem haver vários testes para cada disciplina ao longo ano. O sistema de avaliações ucraniano é mais conveniente para nós. (…) M: É uma maneira de nos prepararmos para os nossos testes independentes finais antes da Universidade. Foi muito estranho para mim ter tantos testes em cada disciplina cá. Estava a preparar-me para ter as avaliações no final deste ano na Ucrânia, onde não tens de preocupar a toda a hora com avaliações e podes escolher os exames a realizar.”

Outra diferença chave entre o ano letivo ucraniano e o português é a maneira como este se divide. Na Ucrânia divide-se em dois semestres, enquanto em Portugal se divide em três períodos.

Olhando para a relação com os professores, esta foi uma das temáticas mais interessantes para os dois estudantes. Na Ucrânia, dizem, é normal debater com os professores e expressar opiniões, por serem mais “liberais e democráticas”. Em relação à escola que frequentam em Portugal referiram que também é um espaço democrático, embora sintam que os colegas não gostam de debater e participar e que os professores limitam-se a dar matéria e fazer os testes em detrimento de uma compreensão mais profunda.

“Na Escola na Ucrânia sempre pude comunicar livremente com os meus professores para compreender o que fosse. Aqui é muito: o professor chega, dá-nos o material e nós temos de trabalhar com isso nós próprios. (…) Os professores ucranianos gostam do seu trabalho.”

Relativamente aos outros trabalhadores da escola, ou staff como os dois estudantes os designam, os estudantes descreveram os de ambas as escolas como muito simpáticos e prestáveis, sendo que no caso da escola na Ucrânia mal se cruzam com estes, tendo uma relação pouco informal em ambos os contextos nacionais.

Sobre o valor dado a atividades extracurriculares, desportivas e culturais na Ucrânia, Kiril crítica, dizendo que há “demasiadas atividades” facultativas. Pensa que no campo das modalidades desportivas pode ser excessivo e ter pouco benefício para o futuro. Na perspectiva dos dois estudantes é ter aulas teóricas extra. Para Kril a filosofia de estudo ucraniana rege-se pela máxima “se gostas de estudar ou de praticar algo, foca-te nisso, de maneira a melhorar as tuas capacidades/skills”. Contudo, estas “aulas extra” não são gratuitas e assumem a forma de explicações particulares fora do universo escolar.

Quis saber a opinião de Kiril e Martha sobre o que consideram que mudou mais durante os últimos 30 anos nas escolas. Para Kiril o sistema ucraniano “era e será o melhor sistema de educação na Europa” e Martha faz um extenso elogio ao sistema e aos seus valores, afirmando que “muitos ucranianos vão para fora e encontram bons trabalhos devido ao conhecimento” adquirido nas escolas ucranianas. Ambos olham a Educação Soviética como muito ultrapassada para os dias de hoje. Para a geração destes estudantes de Kiev, o inglês é a segunda língua e não o russo como os seus avós nascidos na Ucrânia Soviética. Atualmente, de acordo com a agência de notícias ucraniana UNIAN, 63% dos ucranianos são fluentes em inglês. Este facto está em linha com o que me foi dito pelos estudantes. Kiril e Martha consideram que as escolas ucranianas dão grande importância à aprendizagem de línguas estrangeiras.

“A História mudou muito, e acho que aprendemos muito mais do que os nossos pais e avós aprendiam.”

Sobre a Escola Ucraniana do Estoril, consideram-na eficiente, em linha com o que era a sua antiga escola antes da guerra. Para eles não é surpresa, pois tem conhecimento que a Escola Oberig está convencionada com o Ministério de Educação Ucraniano.

Quando perguntados se o papel da escola ucraniana, em particular no ensino bilíngue, podia ser desempenhado nas escolas onde os alunos da Oberig estão matriculados em Portugal, Martha afirmou que algo podia ser feito para distribuir melhor os horários, de forma a não sobrecarregar os sábados. Kiril afirmou que “se fosse português” ou residente permanente, escolhia o sistema português somente, e se soubesse quando poderia voltar para a Ucrânia, faria só a sua a escolaridade na Oberig. Para Kiril, é frustrante ter duas abordagens diferentes e com diferentes velocidades às mesmas matérias e dá o exemplo de estar a aprender matéria no seu 11o ano português que já tinha aprendido no seu 8o ano na Ucrânia. Kiril chega mesmo a dizer que se sente a regredir na escola portuguesa. Para a Martha, a situação tem a vantagem de poder rever matéria dada.

Para concluir a entrevista, perguntei se consideravam que deveria haver mudanças em ambos os sistemas de educação quais seriam estas. Para Kiril e Martha, não havia nenhuma proposta de mudança relativamente às metodologias curriculares ucranianas. Quando falamos de Portugal, as respostas mudam de figura. Kiril considera que o estudo de línguas deve ser mais valorizado em Portugal e que o ensino obrigatório português deveria ser mais internacionalizado, com alunos de várias nacionalidades do hemisfério norte a frequentar estas.

Perguntei-lhes também para rematar o que é que as escolas portuguesas podiam aprender das escolas ucranianas, e Martha respondeu que o sistema de avaliações devia mudar, ou pelo menos os testes escritos serem mais pequenos e, no fim, poder realizar exames às disciplinas que o aluno entender que são importantes para o seu futuro.

“K: É mais confortável mas na escola portuguesa eu acho que devia-se ter mais capacidade de comunicação não só em línguas e povos como o brasileiro, o português, inglês e espanhol, mas também o alemão, e ter colegas britânicos e americanos. Eu gostava de ver mais nacionalidades nas escolas portuguesas.”

“M: Eu gostava de acabar com testes para todas as disciplinas, eu acho que deviam haver apenas pequenos testes que acompanhassem o estudo e no fim podermos escolher o teste à disciplina que quisermos. “

De seguida entrevistei a professora e diretora da Escola Oberig Ulyana Kucheras. Natural de Lviv, principal cidade do Ocidente da Ucrânia, e há quase 30 anos em Portugal, Kucheras concedeu-me a entrevista mais extensa das três.

Kucheras começou por dizer como a Escola Oberig tem tido ano invulgarmente ocupado, devido aos impactos da Guerra no seu país natal. A escola passou de uma média de entre 80 e 100 alunos para receber 180 alunos refugiados devido à Guerra, e tem tido um papel social na diáspora relativamente a ajuda humanitária e social. Muitos dos alunos vêm de áreas ocupadas, que estiveram ocupadas ou no centro dos combates ao longo dos últimos quase cinco meses de Guerra, como Kharkiv, Izium (Nordeste), Bucha (Arredores de Kyv/Kiev) e Kherson (a norte da Crimeia, e ocupada pela Federação Russa à data da entrevista e recuperada pelo exército ucraniano no último Novembro).

Em termos gerais, a escola ao estar ligada com o Ministério da Educação de Kyv/Kiev, pode equiparar o diploma da Escola Oberig ao de um Escola na própria Ucrânia, permitindo então que os estudantes se possam candidatar a uma universidade na Ucrânia. Pode haver regime de externato, em que um aluno que não tenha ido às aulas, possa fazer as provas finais da escolaridade obrigatória na Escola Oberig, permitindo a tal equivalência de grau de ensino.

De acordo com Kucheras, em 2002 (ano em que a escola foi fundada), a grande maioria dos alunos que realizava os exames finais ucranianos na Oberig tinha como objetivo voltar para a Ucrânia para ingressar nas faculdades. Hoje em dia, a esmagadora maioria permanece em Portugal. A razão para tal é, na perspectiva de Kucheras, a vontade dos pais que os filhos cresçam e tenham educação em Portugal. No que toca à realização das provas finais em si, a situação divide-se. Há alunos que querem fazer as provas de acesso à Universidade na Ucrânia, há quem as queira fazer na Oberig.

Segundo Kucheras, a Escola tem 14 professores formados na Ucrânia que lecionam em anos normais entre 80 a 100 crianças. As aulas são aos Sábados, e o horário vai das 9 da manhã até às 20:40 no caso dos mais velhos, os mais novos terminam aulas às 15:40. Ao todo, são 12 aulas e 12 turmas por dia. É comum no fim do ano haver uma celebração. A escola, para além da ponte institucional que tem com o ministério de Educação Ucraniano, também tem programas de integração dos alunos mais novos na sociedade portuguesa. Ficou logo latente no início da entrevista que as tradições folclóricas e históricas são muito importantes para a obra da escola. As vertentes culturais incluem escola de dança, onde se realizam “danças ucranianas e portuguesas”.

“No fim do ano fazemos festas, temos programas de integração das nossas crianças em Portugal. Nós passeamos e cantamos muito. temos escola de dança, fazemos danças ucranianas e portuguesas, fazemos bate o pé. (risos)”

Em termos de graus de ensino, a escola vai do pré-escolar ao ensino secundário. Apesar da guerra, muitos dos alunos do secundário, vão realizar os seus exames nacionais na Oberig, de forma a terem o certificado de conclusão do ensino secundário ucraniano.

Kucheras nunca conseguiu ser professora profissional em Portugal devido às dificuldades em ter uma equivalência, e trabalha durante a semana na empresa de manutenção de edifícios do marido, dedicando-se à Escola Oberig nos fins de semana. Antes da sua atual situação dava explicações de Matemática. Kucheras nunca pretendeu ter uma equivalência. Na sua opinião professores em Portugal são como “a tropa” porque não tem moradas fixas, há sempre o perigo de ser colocados no interior, onde Kucheras entende que as escolas são “fraquinhas”. Isto seria um retrocesso maior do que a sua atual situação, ao ter sido professora de bons liceus na Ucrânia. As explicações eram igualmente mais comportáveis, a serem dadas apenas a um aluno que percebesse perfeitamente inglês.

“Na Ucrânia, trabalhei em Liceus, escola com muita força (qualidade), você fala com a minha aluna que fala perfeitamente inglês, e para mim é muito difícil trabalhar numa escola fraquinha onde está criança que não se porta muito bem. Eu penso que, para mim, foi melhor dar explicações a 1 aluno do que dar aulas a 30.”

Para Kucheras deram-se mudanças radicais e profundas. A escola deixou de ser soviética, de glorificar a figura de Lenine e de privilegiar o russo como língua franca de ensino. A educação passou também a dar valor a narrativas nacionais e tradições consideradas verdadeiramente ucranianas.

“A Escola era em russo e os textos que liam glorificavam Lenine. Agora está tudo diferente, tenho muitas histórias que refletem e explicam histórias ucranianas. Tudo livros novos agora.”

Estes novos moldes acentuaram-se após os acontecimentos políticos da Praça Maidan em 2014, quando o presidente pró-russo Yanukovitch foi derrubado. A docente descreve como incentivava os alunos vindos de Kharkiv a adotarem costumes que entende como verdadeiramente ucranianos, como adotar a figura do São Nicolau como figura que entrega as prendas ou aprender danças, “cozinha tradicional ucraniana” e narrativas históricas. Ao longo da conversa, fui relembrando que os naturais da região de Kharkiv têm como língua materna o russo. Kucheras considera ter uma missão cultural nacional para com a língua ucraniana e não permite que na Obrig algum estudante fale russo.

“Entram na Escola Ucraniana, onde aprendem o que é isto, e depois de 2 ou 3 anos a estudar, pensam isto é tão bonito, eu já percebi. Conheci tantas pessoas que não sabiam o que é isto do Natal, especificamente comida do Natal tradicional nossa, como a kutia, que provam pela primeira vez cá. Fazemos muitas coisas para aprendermos as nossas tradições (…) Quando chegaram de Kharkiv tudo fala russo. (…) Eles (os alunos provenientes de Kharkiv) falam ucraniano. Em casa acho que falam russo, mas com a guerra elas tem medo de falar isso, e não falam muito bem ucraniano. Para mim ninguém me fala russo, sou professora da escola ucraniana.”

Na Oberig, aprende-se a história nacional do seu país de acordo com o que é definido no Ministério de Educação em Kiev. Entre os eventos históricos celebrados encontramos a denominada Revolução da Praça Maidan ou da Dignidade, celebra-se o dia das Forças Armadas (6 de Dezembro) e invoca-se o Holodomor (fomes na Ucrânia no início dos anos 30, consideradas no país como uma tentativa de extermínio do povo ucraniano por parte da URSS). Relativamente a atividades extra educativas é comum, como foi referido anteriormente, ter aulas de danças tradicionais, celebrações do Natal e Páscoa. Ultimamente, têm-se realizado concertos de angariação de fundos para causas humanitárias e para o esforço de Guerra Ucraniano, com apoios da Câmara Municipal de Cascais.

Para Kucheras, não há grandes choques de valores entre a Escola Portuguesa e a Oberig. Muitos dos alunos da escola são dos melhores das suas respectivas turmas nas escolas que frequentam nos dias de semana. Kucheras não quis dizer muito sobre o papel que o professor deve ter perante os alunos e quis antes voltar a referir outros aspetos importantes do funcionamento interno da Oberig no período atual de grande sobrelotação. Nos últimos meses os alunos com mais anos de vivência em Portugal ajudam os colegas recém chegados nos Estudos e na sua integração.

Kucheras também não quis dizer muito perante eventuais mudanças que faria ao funcionamento das Escolas Portuguesas, pois considera que estas “não tem problema nenhum.”A escola ainda espera ver chegar mais alunos refugiados. De acordo com Kucheras, nessa tarde de fim de abril, todos os dias recebiam-se mais pedidos, “documentos e contas”. A docente lamentou que mal tinha tempo de dar aulas com toda a burocracia que tinha de tratar com a vinda de mais refugiados. Deu a ressalva que mesmo com a guerra, já havia quem quisesse voltar, mas não pelos melhores motivos. Os vistos especiais dados pelo estado português não permitem aos refugiados trabalhar, que de acordo com Kucheras, esperavam receber ajuda financeira à chegada, “como na Alemanha”. A situação burocrática é “insustentável” e os refugiados não queriam viver eternamente “em centros de acolhimento”.

Após as entrevistas, agradeci a disponibilidade e voltei para Lisboa. O processo de transcrição das entrevistas começou no dia 28 de Abril, quando me desloquei à Wamãe para discutir o meu projeto e trabalhar nas instalações. Lá transcrevi a entrevista de Nataliia e iniciei a transcrição da entrevista a Kiril e Martha.

Corina

A cinco de maio, marquei uma entrevista com Corina, luso-moldava mãe de três filhos nascidos cá. Já a tinha entrevistado sobre o serviço e tratamento prestado pelo SEF dois anos antes no projeto LivePolitics do CRIA. Ao fim da tarde, encontramo-nos no jardim da Quinta da Alagoa em Carcavelos. A entrevista iniciou-se rapidamente, pois já tinha explicado através do WhatsApp os objetivos da etnografia no âmbito do Estágio. Entrevistei Corina no Jardim da Quinta da Alagoa numa tarde de segunda feira no início de Maio.

Corina descreveu o currículo escolar moldavo como muito semelhante ao português, com o mesmo tipo de ensino e “a mesma base”. Refere que, até ao quarto ano da escola básica, as disciplinas principais são língua estrangeira, que tal como na Ucrânia deu-se a substituição do Russo por inglês ou francês, língua moldava e matemática. No entanto, o russo continua a ser obrigatório a partir do nível preparatório. Na opinião de Corina, durante o período de educação dos seus pais e avós, havia mais respeito dos alunos para os professores e que a qualidade do ensino piorou um pouco embora ainda mantenha a qualidade essencial e os seus objetivos básicos.

Para Corina os sistemas moldavo e português são muito semelhantes até ao fim da primária. A partir do nível preparatório, começam as críticas. Corina considera que a escola passa a ser demasiado facilitada, que “as coisas são feitas mais de leve” e que os professores têm dificuldade em impor respeito ou a lecionar corretamente. Na ótica da entrevistada, a partir do 5o ano, o aluno não é obrigado a estudar e há falta de incentivos para mudar estas atitudes. Considera vergonhoso muitos professores contentarem-se com turmas onde a maioria completa as avaliações com a margem mínima. Tal como Kiril, acha que os professores limitam-se a dar matéria. Corina diz que, para garantir uma educação de qualidade para os filhos, têm de se complementar a escola com explicações. Os professores moldavos, afirma, têm uma atitude mais responsável perante os alunos.

“Lá na Moldávia havia uma responsabilidade maior da parte dos professores. Era uma vergonha uma Diretora de Turma ter metade da turma com insuficiente, aqui parece uma normalidade a criança passar com um suficiente está bem se os pais querem que os filhos sejam melhor educados tem de arranjar explicadores.”

Corina dá uma grande importância à figura e papel do professor. Na sua perspetiva, o professor deve ter o máximo interesse em que os alunos tenham bons resultados e não podem apenas limitar-se a “passar matéria.” Defende que os professores portugueses deviam fazer um acompanhamento mais informal dos alunos. Descreve como na Moldávia o acompanhamento informal é central, permitindo aos estudantes “que gostem de estudar “boas oportunidades de futuro”.

Outro ponto contrastante entre as duas realidades nacionais é o valor dado à educação cultural e desportiva. Corina acha que a educação para a cultura e o desporto em Portugal são muito caras, quase parecem um “luxo”. Já tentou inscrever os filhos em clubes desportivos, mas as mensalidades estão todas acima dos 50 euros, diz. Na Moldávia, a escola assegurava este tipo de atividades extracurriculares. Os próprios professores de desporto ou de dança asseguravam estas atividades. As escolas providenciaram todo um conjunto de atividades da tarde, como “aprenderem a cozinhar ou a bordar”, sendo que era tudo gratuito ou pago por valores simbólicos. O que era verdadeiramente pago eram as vertentes profissionais. Corina lamenta que, em Portugal, ou paga preços exorbitantes ou deixa os filhos sem actividades organizadas para fazerem à tarde. Tal como os restantes entrevistados, dá uma grande importância às actividades culturais e desportivas normalmente asseguradas pelo Estado.

“O meu filho agora acaba as aulas às 13 horas, o que é que ele vai fazer, vai ficar em casa a jogar no telemóvel, não, eu tive de arranjar um centro de apoio ao estudo e foi num que era público e ele só brincava, jogava à bola sozinho com os outros, tive que arranjar um centro de apoio aos estudos para ele trabalhar, já não dá tempo para outras atividades para ir para outro sítio.”

Os filhos fizeram a escolaridade toda em Portugal, sendo que os familiares e amigos que vieram e frequentaram ambos os sistemas de ensino adaptaram-se Não dando detalhes, frisou que é fácil acompanhar a matéria mesmo não sabendo a língua no início. Apesar das críticas, Corina fica admirada com os conhecimentos que os filhos trazem da escola. Considera que os professores portugueses são melhores que os Moldavos em termos de cultura geral e abertura cultural e que muitas vezes aprende muito com o que os filhos levam da escola portuguesa.

“Acho que em termos de cultura geral dos professores, Portugal está à frente, mais desenvolvido, há menos tabus, não há coisas que não deem para falar, que temos de ser nós a explicar em casa. Eu acho que eles às vezes nos ensinam que já vem da escola sobre cultura geral, ou sobre estas coisas.”

Sobre a estrutura do ensino após o 9o ano, Corina descreve um sistema muito semelhante em alguns aspetos com o Ucraniano e com o Português. Tal como na Ucrânia, o Ensino Profissional é realizado em Colégios Profissionais. No sistema português, o ensino secundário divide-se em áreas, no caso concreto Moldavo em duas, “matemáticas e humanas”e o ensino obrigatório também tem a duração de 12 anos.

Corina afirma que sempre teve uma boa relação com os restantes membros da comunidade escolar e que os filhos nunca foram tratados de maneira diferenciada ou discriminatória devido à origem dos seus pais, tanto por docentes e funcionários como por colegas. Acha que as experiências negativas dependem muito das crianças, se estas são introvertidas ou “desenrascadas”.

“Eu não estou a ver assim a ver muito racismo, quer dizer depende das pessoas, mas sempre fui muito bem atendida, quando foi preciso ajudaram-me sempre, mesmo

quando era preciso trazer tudo lá, e trazia um papel, aceitavam. Pelo que eu sei, não. Porque os meus filhos são muitos desenrascados e estão sempre bem nos seus grupos mas há crianças que são mais introvertidas e acho que iriam sofrer na mesma se fosse aqui ou noutro país.”

Por fim considera que se tivessem mais tempo ou menos horas de trabalho, os encarregados de educação podiam ter um papel mais ativo no acompanhamento dos filhos nas escolas e para desenvolver relações produtivas com os professores que permitissem melhorar os resultados e as notas.

Conclusões

Entre os pontos em comum entre os entrevistados, sobressai a grande importância dada à figura dos professores, em particular no caso de Kiril, Martha, e Corina. Os três acham que os professores nos seus respectivos países dão grande importância a um acompanhamento informal dos alunos, ao respeito mútuo e a uma hierarquia de poder bem definida. Apesar de considerarem que o sistema educacional português tem qualidade, e em certos aspetos, como Corina expressou, é melhor em termos de temas e aprendizagens, todos consideram que a Educação dos seus países tem melhor ou igual qualidade em pontos chave. Em muitos aspetos, consideram a qualidade do ensino superior, em particular na prestação de atividades desportivas e culturais extracurriculares. Também valorizam muito a importância dada à aprendizagem de línguas estrangeiras com projeção internacional como inglês, francês e alemão. A diferença é que no caso de Nataliia, Kiril e Martha, estes olham para estas características como pós-soviéticas, europeias, e liberais enquanto Corina não faz essa associação de todo.

A valorização do passado soviético e da influência ou falta desta no currículo escolar é um dos principais de discórdia entre os ucranianos entrevistados e Corina. Kucheras é de longe a mais crítica, e a única que cresceu na URSS, sendo que considera que os valores marxistas leninistas que caracterizavam o período pré-independência são contrários à identidade ucraniana. No caso de Nataliia, Kiril e Martha olham para este passado como um período atrasado e fechado sobre o mundo, sendo que os quatro ucranianos consideram que as mudanças curriculares nos últimos 30 anos modernizaram e adaptaram o sistema de ensino ucraniano à identidade nacional. Por seu turno, Corina não olha com forte saudosismo ou idealização para o passado sovíético do seu país, mas considera que a qualidade da educação era melhor.

As questões de identidade nacional tem um papel central nas entrevistas que fiz na Oberig. Há uma enorme importância dada à literatura nacional e ao folclore. O currículo da Oberig, em linha com o das Escolas da Ucrânia, tem uma clara vontade afirmar uma identidade “europeia”.

Sobre como foi a adaptação ao sistema português todos disseram que não houve situações de discriminação. Aqui posso apenas referir que Kucheras considerou que os alunos que formava na Oberig se destacaram pela positiva nas escolas portuguesas, e que Kiril e Martha, finalistas de secundário, consideravam que estavam a repetir matérias. Nem Nataliia, nem Corina apontaram algum aspeto negativo ou extra na maneira como os filhos foram recebidos, frisando que estes foram sempre bem tratados. Corina foi das entrevistadas que mais propôs mudanças ao sistema educativo português, a defender a necessidade de haver mais regras, no sentido de haver menos tolerância para mau comportamento e falta de hábitos de estudo.

Por último, fica latente que todos os entrevistados dão grande importância ao papel da Escola, olhando de forma crítica para ambos os sistemas educacionais, para o que os aproxima e os separa.

Bibliografia

MARTINS, António Joaquim Sota A escola e a escolarização em Portugal representações dos imigrantes da Europa de Leste, 2008, Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa

https://www.unian.info/society/language-ukraine-ranks-44th-in-2020-english-proficiency-ran king-11225369.html

Revisão e edição

Inês Tecedeiro

O presente trabalho foi realizado no âmbito da Unidade Curricular de Estágio Curricular de 3º ano da Licenciatura em Antropologia no Iscte – Instituto Universitário de Lisboa.

Professor Doutor Filipe Reis – Professor responsável da UC.

Professora Doutora Cristina Santinho – Orientadora Interna

Inês Tecedeiro – Orientadora Externa



Citar este post
macedodaniel (2022, 27 Dezembro). A Escola entre Lisboa, Kiev e Chisinau. Olho da Rua. Recuperado em 20 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sin7

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search