Academias Imaginárias – Diário de Campo 19/10/2021

A manhã do dia 19 de Outubro levou-nos de volta à Escola Manuel Sérgio e às nossas turmas. Seguindo a mesma ordem da semana anterior, começámos então com a turma mista do segundo e terceiro ano. Esta aula foi calma, tendo estado os alunos dedicados a terminar os desenhos das suas personagens numa primeira parte. De seguida, partimos para uma discussão sobre o cenário e como o poderíamos construir para a nossa animação stopmotion sobre a história do Bairro 2 de Maio. Ficou então decidido que o melhor seria criar um plano bidimensional desenhado em cartolina que replicasse o bairro e cada aluno participou na criação dos seus vários elementos (o céu, os prédios, etc.) 

Uma das particularidades da forma como me apresento visualmente é o pintar frequentemente as unhas. À partida, não me parece que este pormenor seria de todo relevante para a inclusão neste diário, mas durante o percurso da aula esta minha afetação estilística deu origem a uma interação que me parece mais que pertinente ser contada! Com um olhar curioso, um dos alunos aproximou-se de mim e perguntou imediatamente: “Porque é que tens as unhas pintadas?” afirmando de seguida que “só as senhoras” o poderiam fazer. Achei curiosa a sua abordagem, porque demonstrava uma vontade genuína de obter explicação; não era uma pergunta jocosa, mas sim uma repetição de algo que de uma forma ou de outra lhe foi ensinado. Por sua vez, esta pergunta colocou-me numa situação em que eu próprio me questionei sobre a forma como iria desconstruir este assunto naquele momento.

Decidi que a melhor forma de começar seria levar a conversa a termos que lhe fossem familiares. Falei-lhe das tintas e pincéis que todos os alunos usam para pintar e desenhar e da forma como o verniz, apesar de ter um uso específico, é essencialmente uma tinta. Esta analogia foi útil para a desconstrução do tema e das ideias subjacentes relacionadas com papéis de género. O aluno percebeu imediatamente que o uso de uma tinta (seja no papel ou nas unhas), depende apenas de questões de gosto pessoal, sem ser necessária qualquer explicação adicional. Achei interessante a forma como uma criança se manteve tão mais recetiva a ouvir o que eu tinha a dizer em comparação com muitos adultos com os quais já tive o mesmo tipo de conversa…

Terminada a aula, passámos então para a turma do primeiro ano. Em continuação da aula anterior, cada um dos alunos teve oportunidade de se dirigir ao quadro para desenhar a sua história de vida. O objetivo seria então fotografar todos os desenhos para, posteriormente, criarmos uma animação. Os alunos estiveram envolvidos em todos os passos do processo, tanto no desenho como na fotografia.

Esta aula fez-me aperceber que nem sempre será possível fazer anotações sobre interações pertinentes, por duas razões em particular que consegui distinguir até agora: por vezes, por questões de humor pessoal ou coletivo, o olhar parece não ser tão perspicaz e a mente menos disposta a observar; em outras, o envolvimento nas atividades letivas é tal (e o tempo tão limitado) que não existem, de facto, observações que vão para além de uma descrição das mesmas.

Dito isto, falámos de migrações na última aula do dia com o quarto ano, aproveitando também o facto de muitos alunos serem de outras nacionalidades ou filhos de pais estrangeiros. Para começar a explorar este tema falámos de geografia e desenhámos um mapa do mundo no quadro. Terminada esta tarefa, pedimos então que os alunos identificassem países que conhecessem. No geral todos os alunos mostraram bons conhecimentos de geografia, mas dois alunos em particular se destacaram. O primeiro por demonstrar consciência de coisas como o período colonial e da ideia de África como “berço do ser-humano”. Quando lhe perguntámos onde tinha retido esta informação, disse-nos que ouvia o pai falar sobre o assunto há muito tempo. Outro aluno, natural do Paraguai, não só demonstrou conhecimentos superiores de geografia sobre o continente sul-americano como também do resto do mundo.   



Citar este post
David Lopes (2021, 9 Dezembro). Academias Imaginárias – Diário de Campo 19/10/2021. Olho da Rua. Recuperado em 17 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/sin1

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search