Naza | Projeto Espacial

(Living in a Diferent Culture)

“Living in a Diferent Culture Funchal” é uma proposta de implementação de um projeto de educação pela arte, endereçada à Camara Municipal do Funchal, rebatizada pelos seus formandos de “Naza I Projeto Espacial”.

Este projeto de Antropologia Pública parte da produção conjunta, entre formadores e formandos, de conteúdos artísticos. Pretende-se com este modelo possibilitar uma experiência artística profissional a jovens do Bairro da Nazaré (Funchal), que já faziam arte na Associação Olho.te. Ao mesmo tempo oferece a artistas a experiência de formadores, que acreditamos ser capaz de alargar as suas potencialidades profissionais.

O projeto tem como tópicos de debate a cidadania, a desigualdade e a criação de outros futuros. Estamos portanto a falar, quando falamos de conteúdos artísticos, de uma criação consciente, alicerçada nas condições, receios e aspirações dos jovens da Nazaré. Nas realidades daquele bairro.

Antropólogos, formadores e formandos criarão em conjunto uma performance, uma exposição de fotografia e um conjunto de vídeos sobre o Bairro da Nazaré. Estamos constantemente a trabalhar, neste projeto, o conteúdo e a forma de executar. Exemplo desta abordagem é a formação em produção que acompanha todo o processo, que oferece a sustentabilidade necessária para que os jovens se tornem artistas autónomos. A produção de eventos culturais, produzidos por formadores, formandos, e pela comunidade do bairro, pretende reforçar estes valores de autonomia artística, capacidade logística e ligação à comunidade. O projeto produzirá ainda pelo menos um conteúdo científico, publicado numa revista de antropologia, que documentará o processo.

Metodologia

Todos os projetos da Wamãe I Antropologia Pública começam por trabalho de campo
e diagnóstico. Esta primeira etapa pretende avaliar o território e criar a devida adequação à fase de implementação do projeto.

Living in a Different Culture Funchal, começou com um período de trabalho de campo que durou um mês. Percebeu-se que as comunidades racializadas do território eram residuais, e que não constituíam exemplos maiores de de marginalização.Percebeu-se ao mesmo a importância da Associação Olho.te, presente no território desde 2012, referida por toda a gente, responsável pela criação de um “espírito de bairro”. A quantidade de jovens com formação e experiência em práticas artísticas definiu o caminho deste projeto: desenhar um upgrade da prática artística, por oposição a trabalhar com jovens que não têm participação associativa, quando ela é uma oferta existente e eficaz no bairro.

Da parte dos artistas, mais tarde tornados formadores, percebeu-se uma possibilidade de intervenção: A criação artística do Funchal, uma cidade ligada ao turismo e ao evento-cartaz, sente falta de espaços de experimentação, de “pura criação”.

A forma de sintetizar este projeto, curiosamente, partiu de uma conversa com Marta Silva, Diretora da Cooperativa Largo Residências, em Lisboa. “Arroios define-se em Lisboa como o bairro de experimentação artística, numa cidade onde a cultura está institucionalizada. “E se posicionássemos este projeto, e o Bairro da Nazaré desta forma? A Naza como laboratório de criação artística do Funchal?”.

Este processo de sedimentação do Bairro da Nazaré, a Naza, como espaço de experimentação artística relaciona-se com um dos outputs do projeto: A produção de eventos: Aqui se cria a oportunidade de outros artistas mostrarem o seu trabalho no bairro, e do bairro conhecer esses artistas. Mais: a possibilidade de definir os espetáculos na Naza como experiências de performance não seguras, exercícios de experimentação, o lugar onde se vai ver algo que pode “correr muito bem ou muito mal”.

Outputs

Os outputs do projeto, os eventos, a exposição de fotografia e a performance final estão ainda por agendar. Mas pretendemos que sejam apresentadas no Centro do Funchal, o território da institucionalização, e na Naza, o território da experimentação, o lugar de onde as histórias deste projeto provêem.

Acreditamos que esta dupla territorialização contribuirá para a criação de novos públicos, e para a quebra de estigma que ainda persiste nos habitantes da Nazaré. Contribuirá ainda para a dignificação dos produtos artísticos e dos artistas envolvidos neste projeto que, acreditamos, não querem ser olhados sob nenhum tipo de condescendência.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search